Deusa Iemanjá 23.3.2018

Iemanjá

Venha com as suas preocupações, venha com os seus lamentos, venha quando a vida é alegre, venha quando a vida é difícil, venha quando assumir responsabilidades venha quando estiver esgotada, venha quando buscar renovação. Tudo o que pedirei quando você vier é que se entregue a mim, porque sou a mãe oceano, e assim como o mar, te ajudarei a contornar todos os obstáculos. O meu útero aquático espera para acolher você. Vou ajudá-la a nascer novamente e cuidar da tua transformação.

Sobre

Iemanjá é uma deusa do mar, das culturas africana, caribenha e brasileira. Originalmente conhecida como Ymoja, a mãe do rio, na cultura da África ocidental. Ela também é chamada Sereia do Mar, Princesa do Mar, Rainha do Mar, Inaé, Mucunã, Dandalunda, Janaína, Marabô, Princesa de Aiocá, Dona Iemanjá, dependendo de cada região. A Iemanjá brasileira é resultado da miscigenação entre europeus, índios e africanos. Em algumas igrejas, Iemanja tem identidade correspondente a Nossa Senhora de Candeias, Nossa Senhora dos Navegantes, Nossa Senhora da Conceição, Nossa Senhora da Piedade e a Virgem Maria. 

Read More

A deusa, a dança e o sagrado feminino. 9.3.2018

Existiu um tempo em que a mulher e todos os seus atributos, seus ciclos, sua força, seu poder criativo, seus conhecimentos e suas habilidades eram venerados, sagrados e respeitados por todos os seres. Os homens celebravam o poder da mulher de gerar, alimentar e cuidar, como o poder primordial na terra, relacionando ao plantio, a colheita e a sobrevivência de todos os seres. As celebrações da vida estavam diretamente ligadas à energia poderosa feminina na terra. Nossas ancestrais mulheres possuíam conhecimentos profundos sobre a terra, a família, as ervas e as medicinas naturais, através de sua intuição e experiência. Antigamente as mulheres honravam seus ciclos, comemoravam sua primeira menstruação, a entrada da menopausa e as colheitas da natureza. O sagrado feminino é acordar esses conhecimentos que moram na memória do nosso inconsciente, reconhecer e despertar nossa consciência divina, e atingir um encontro de devoção, com nós mesmas, e com a vida. Quando começamos a curar nosso individual conseguimos levar isso para o coletivo, para outras mulheres, e compartilhar nosso sagrado interno com o sagrado da outra.  

Read More