Deusa Morgana encontro 10.8.18

Encontro 10.8.18

A sabedoria milenar feminina está aqui, dentro de todas nós. E o autoconhecimento através da meditação, rituais de conexão com as energias do corpo e da natureza, rituais de conexão com os arquétipos das deusas, da mãe terra e da avó Lua, as fases lunares e sua relação com os ciclos das mulheres, são caminhos para despertar esta sabedoria. Suzi.   

O incenso Nag Champa é composto pelos aromas da flor champa (sagrada flor cultivada na Índia) e sândalo. Tem o poder de agir no humor, é calmante e facilita a concentração em meditações.

O óleo que utilizo em alguns círculos e uma mistura de Jasmim e Sândalo. O sândalo estimula a meditação e a conexão com a nossa alma. O jasmim auxilia o equilíbrio das emoções e da energia vital.

Dança em círculo: Vou Banindo
Vou banindo pela Terra e Ar
Vou banindo pelo Fogo e Mar
Vou banindo, vou banindo pra purificar
Vou banindo, vou banindo pra exterminar
Espiral, Espiral, Espiral
Sugue o que há de ruim
Leve todo mal
Artista: Claudiney Prieto & Tradição Diânica Nemorensis

Apresentações e partilhas:
Integrante novas se apresentaram. A facilitadora Priscila falou sobre seu trabalho com dança terapia e as integrantes do círculo falaram sobre suas conexões com as deusas que trabalhamos em círculos anteriores.

Morgana, a Fada – Ritmos
(livro O Oráculo da Deusa, de Amy Sophia Marashinsky)

Mitologia:
Morgana, a Fada, é uma Deusa tríplice celta da morte e do renascimento. Representada como uma bela jovem donzela, uma vigorosa mãe (criadora, nutridora) ou uma bruxa portadora da morte. Então ela domina o ritmo de todas as fases da vida. O ritmo ativo da donzela, o pleno da mãe amorosa e o tranqüilo da sábia anciã. Ela também foi uma Deusa do mar, pois seu nome, “Mor”, na língua celta significa mar. Seu último nome tem dois significados: “A Fada” e “O Fado”. Nas lendas Arturianas, ela era meia-irmã do Rei Artur e teve um filho com ele. A lenda diz que ela manipulava o filho para induzi-lo a matar o pai. Mas quando Artur morre, Morgana vem em seu auxílio para levá-lo à ilha mágica de Avalon, onde ela o cura e, em seguida, lança-o num sono profundo, do qual ele só acordará quando o tempo for propício. 

Read More

Lua 27.7.18

Encontro 27.7.18

Eurínome, Eclipse e Ciclos Lunares.
Conduzido por Gabi.

Abertura do círculo:

Dança em círculo com energização intuitiva.

Partilhas:

Cada integrante falou sobre sua deusa e como está se conectando com ela e refletindo seus comportamentos e sua vida.

Deusa trabalhada:

Ainda na energia de Eurínome, deusa do êxtase, do encontro passado, as integrantes intuíram uma energização celebrando todas as coisas boas que temos em nossas vidas e atraindo tudo que desejamos de abundância, amor e prosperidade para proporcionarmos a nós mesmos um êxtase profundamente verdadeiro, nos entregando a felicidade e ao prazer de viver. A gratidão é um caminho muito poderoso para experimentarmos o êxtase da vida.

Vivência:

Meditação sobre o forte eclipse que tivemos neste dia. Invocamos a energia poderosa da Lua e refletimos sobre os ciclos lunares e sua relação com os ciclos da mulher.

A Lua é o símbolo predileto da espiritualidade feminina, por ser cíclica em suas mudanças, assim como a mulher, e por influenciar todos os líquidos da terra contribuindo com o nascimento e morte das coisas. Assim, o ciclo lunar possui uma mitologia característica na nossa cultura, a repetição do ciclo universal de nascimento, crescimento e morte. É considerada a manifestação da Grande Mãe no Céu Noturno, ou A Avó Lua. Por isso, em muitas tradições nativas, a Lua é considerada a líder da vida feminina. A Avó Lua tem uma energia ritualística diferente da Mãe Terra. A Lua trabalha o aspecto mais intuitivo do ser. Forte suficiente para seduzir as forças ativas e conceber uma nova vida a partir de uma velha experiência. Desde o início da humanidade há um elo entre a Lua, a fertilidade, os nascimentos e os ciclos menstruais das mulheres. Devido a esta ligação as mulheres foram sacerdotisas, curandeiras, profetisas, parteiras e consultoras sobre quais datas eram propícias para o plantio, a colheita e as tomadas de decisões. A Lua também é a rainha do tempo, a maneira mais fácil de marcar a passagem do tempo foi observando suas mudanças. Por isso os homens viviam em sintonia com a natureza e seus ciclos. Trabalhar a energia da lua para autoconhecimento é muito bom quando você quiser observar aspectos menos conhecidos do seu próprio ser. Coisas que podem estar escondidas até mesmo de você. Traz profunda sabedoria a compreensão de nós mesmos e fortalece intuitivamente. 

Read More