Leitura musical, a arte d silenciar

Apreciar uma boa música, perceber quantas camadas ela apresenta, sentir a força de suas batidas e a poesia de sua melodia, e poder escolher como representar com meu corpo é sem dúvidas o q mais me atraí nas ricas música e dança árabes. E felizmente temos alunas interessadas em se aprofundar nestes estudos, q as tornam cada vez mais apaixonadas por esta arte.

Partilho aqui uma experiência com a aluna Tati, onde lemos apenas os floreios melódicos da música Ana fi Entezarak. O exercício consiste em movimentar o corpo apenas quando uma camada melódica mais baixa da música se apresenta, neste caso, a orquestra. Uma sutileza q as vezes se revela ao ouvido apenas através do movimento da bailarina. Se ela não lesse aquele instrumento escondido lá no fundo tvz nem perceberiamos a presença dele na canção. Créditos à linda Tati Machado. Dança do Ventre Flor de Lótus.

A deusa, a dança e o sagrado feminino. 9.3.2018

Existiu um tempo em que a mulher e todos os seus atributos, seus ciclos, sua força, seu poder criativo, seus conhecimentos e suas habilidades eram venerados, sagrados e respeitados por todos os seres. Os homens celebravam o poder da mulher de gerar, alimentar e cuidar, como o poder primordial na terra, relacionando ao plantio, a colheita e a sobrevivência de todos os seres. As celebrações da vida estavam diretamente ligadas à energia poderosa feminina na terra. Nossas ancestrais mulheres possuíam conhecimentos profundos sobre a terra, a família, as ervas e as medicinas naturais, através de sua intuição e experiência. Antigamente as mulheres honravam seus ciclos, comemoravam sua primeira menstruação, a entrada da menopausa e as colheitas da natureza. O sagrado feminino é acordar esses conhecimentos que moram na memória do nosso inconsciente, reconhecer e despertar nossa consciência divina, e atingir um encontro de devoção, com nós mesmas, e com a vida. Quando começamos a curar nosso individual conseguimos levar isso para o coletivo, para outras mulheres, e compartilhar nosso sagrado interno com o sagrado da outra.  

Read More

Entrevista com Suzi Ribeiro para a Revista Viva Melhor edição maio/2017.

O papel da dança no empoderamento feminino

Eu o entendo como a busca da mulher por autoconhecimento, de se reconhecer como mulher, conhecer suas forças e fraquezas, assim como se aceitar e se amar. Acredito que uma mulher que se conheça, que se ame, consiga a coragem necessária para enfrentar todas as batalhas, seja buscando direitos iguais, lutando por melhores condições para as mulheres, ou até mesmo optando por uma vida dedicada ao lar e aos filhos. Essa visão de poder, da mulher saber que pode ser o que ela quiser, o que ela escolher, passa por conectar-se, primeiramente, a si mesma”, esclarece Suzi Ribeiro.

Clique no link para ler a matéria completa publicada na revista Viva Melhor.

O papel da dança no empoderamento feminino

empoderamento feminino

Suzi Ribeiro

Você sabe o que é Baladi?

baladi

Uma forma de ser? um estilo de dança?
Uma palavra com tantos significados e tão rica em nuances. Baladi (Arabic: بلدى baladī; Adjetivo relativo de “ cidade, local, rural, comparado ao termo folclórico com um toque de classe baixa, existe esta conotação ligada a palavra. Também pode se referir a um estilo musical, o estilo folclórico da dança egípcia ( Raqs Baladi) ou o ritmo Masmoudi Sohaiar, que é frequentemente usado em música baladi, muitas vezes podemos encontrar em Ingles o termo Beledi.
Em Árabe, a palavra baladi não se aplica apenas a música e a dança mas também pode se aplicar a muitas outras coisas, que são consideradas nativas, rurais, rusticas ou tradicionais, como por exemplo “ aesh baladi “ pão baladi. Também pode aparecer para muitos tipos de comida e a maioria das frutas e vegetais.

Read More

Nosso espaço foi projetado para proporcionar lazer, bem estar e qualidade de vida através da prática de danças, atividades terapêuticas e de aprimoramento corporal. Contamos com uma excelente equipe de professores e terapeutas em processo contínuo de reciclagem para a atualização de seus serviços.
Temos o objetivo de multiplicar conhecimentos entre público, clientes e parceiros de trabalho a fim de proporcionar benefícios físicos, emocionais e espirituais através da prática de nossas modalidades.
Nossos serviços são praticados baseados nos valores que consideramos fundamentais para nossa empresa no mercado: Respeito, Integração, Responsabilidade Social, Criatividade, Paixão e Aprimoramento Humano.
Além das aulas regulares de danças na escola e shows realizados em eventos, atuamos em Programas de Qualidade de Vida no Trabalho levando profissionais capacitados para a prática de atividades terapêuticas que promovam Bem Estar aos funcionários.

Suzi Ribeiro

Me apaixonei pela dança há doze anos e devido a necessidades financeiras e familiares administrei esta paixão em paralelo a colégio, graduação e atuação profissional em Economia. Durante alguns anos estudei a dança e atuei fazendo shows e ministrando aulas apenas nos fins de semana e madrugadas. O sonho de fazer desta arte meu trabalho, especialmente como professora, tomou conta da minha vida e então tratei de buscar cursos que me preparassem melhor para esta atuação. Como não existia formação acadêmica para Dança Oriental em Curitiba e qualquer outra formação que contribuísse nesta atuação (ex. Artes Cênicas, Dança, Educação Física) era inviável para minha vida financeira, mesmo não querendo tive que seguir a carreira administrativa e continuar os estudos da dança em paralelo. Caminho aparentemente difícil mas que, futuramente, mostrou-me a verdade de dois ditos populares: “Deus escreve certo por linhas tortas” e “Seus pais fazem isto pelo seu bem”. Pois a carreira corporativa durante cinco anos ensinou-me a planejar, administrar e traçar um caminho para realização do sonho…

Read More